Biblioteca Digital de Eventos Científicos da UFPR, III ENCONTRO DAS LICENCIATURAS REGIÃO SUL

Tamanho da fonte: 
RELAÇÃO DE GÊNERO NAS BRINCADEIRAS E JOGOS TRADICIONAIS
Leonardo Tamanini da Silva, Jeniffer Jaqueline de Oliveira, Karin Gonçalves dos Santos, Samara Cristine de Oliveira Freitas, Patrícia Argenton, Rogerio Goulart da Silva

##manager.scheduler.building##: Pavilhão do SEPT UFPR
##manager.scheduler.room##: Pavilhão
Última alteração: 07-10-2019

Resumo


A oportunidade de desenvolver brincadeiras e jogos tradicionais, que são conteúdos obrigatórios no ensino fundamental I, possibilitou-nos trabalharmos o fenômeno social, cultural e resgate histórico com enfoque nas relações de gênero, especificamente na desmitificação dos estereótipos. A proposta desenvolvida no PIBID/UFPR/Educação Física na Escola Municipal Erasmo Pilotto objetivou a desconstrução dos estereótipos através da conversação e experimentação de diferentes jogos e brincadeiras tais como amarelinha, bolinha de gude, peteca, peão, elástico, cinco Marias, pular corda, etc., práticas corporais lúdicas impostas culturalmente, imposição que muitas vezes passa despercebida. As crianças jogaram e brincaram, de modo que, na sequência, dialogamos a respeito das vivências, ou através de bilhetes escritos por elas, de modo que todos/as pudessem compreender que a brincadeira não tem sexo. É preciso reconhecer que a construção de diferenciação entre os gêneros inicia-se antes mesmo do nascimento, e ganha força nas primeiras relações das crianças no ambiente coletivo da Educação Infantil. Cabe ressaltar que a criança enquanto brinca constrói e reconstrói a cultura através da imitação e da atribuição de significados e sentidos, possibilitando dessa forma a imaginação. A cultura das crianças que ingressam na vida escolar é constituída por experiências vividas no âmbito da família, da mídia e da sociedade em geral. A partir disso, as crianças recriam muitas histórias vividas durante as brincadeiras e posicionam-se frente ao mundo por meio da linguagem. Como as relações de gênero estão imbricadas nas relações que os sujeitos estabelecem na sociedade, a família e a escola se destacam na introdução de comportamentos adequados ou esperados sobre ser menino ou menina, homem ou mulher, o que faz com que a menina internalize tais representações em sua infância. Aspectos comportamentais de diferenciação sobre o masculino e o feminino estão presentes na cultura organizacional da escola, às vezes de forma quase imperceptível, num processo de “naturalização” que institui saberes e produz “verdades”, como assinala Louro (2011). Romper com a naturalização é essencial e para tanto é necessário refinar os sentidos para ver, ouvir, sentir as múltiplas formas de constituição dos sujeitos implicadas na concepção, na organização e no fazer do cotidiano escolar. A compreensão das meninas e meninos sobre a importância do brincar com o outro, possibilita a valorização e reconhecimento da diversidade e diferença, e consequentemente da não exclusão de determinado gênero nas brincadeiras, possibilitando a pluralidade do repertorio das brincadeiras e jogos tradicionais, no enriquecimento da cultura lúdica infantil.

 


Palavras-chave


Brincadeiras e Jogos Tradicionais; Gênero; Educação

Referências


FRANCHI, S. Jogos tradicionais/populares como conteúdo da cultura corporal na educação física escolar. Motrivivência, ano XXV, n.40, p. 168-177, jun./2013.

LOURO, G. L. Educação e docência: diversidade, gênero e sexualidade. Form. Doc., Belo Horizonte, v. 03, n. 04, p. 62-70, jan./jul. 2011. Disponível em http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br . Acesso:22/07/2019.


Um cadastro no sistema é obrigatório para visualizar os documentos. Clique aqui para criar um cadastro.