Biblioteca Digital de Eventos Científicos da UFPR, III ENCONTRO DAS LICENCIATURAS REGIÃO SUL

Tamanho da fonte: 
A UTILIZAÇÃO DA ARTE DO GRAFITE COMO INSTRUMENTO NA DIFUSÃO DA GEOGRAFIA ESCOLAR: UM RELATO ACERCA DE UMA EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA REALIZADA NO MUNICÍPIO DE IRATI-PR
Pablo Jonathan Prado, Jaine Padilha, Suzana Covalski

##manager.scheduler.building##: Setor de Sociais Aplicadas
##manager.scheduler.room##: 03
Data: 13-11-2019 01:30  – 01:45
Última alteração: 31-10-2019

Resumo


O presente trabalho consiste em um relato de uma experiência pedagógica ocorrida no Colégio Estadual João de Mattos Pessoa no município de Irati-PR por meio do programa Residência Pedagógica. Esta atividade foi parte da programação da “Semana da Consciência Negra” e objetivou, por meio da utilização da arte do grafitti, realizar uma aproximação da disciplina geográfica com a realidade de grande parte dos alunos, buscando fazer eles compreenderem as transformações ocorridas no espaço por parte de grupos considerados à margem da sociedade, bem como ao mesmo tempo fazê-los afirmar as suas raízes, visto que, muitas vezes, eles possuem grandes dificuldades com relação a esse aspecto de afirmação de quem são. Percebe-se, por meio de relatos de professores e residentes que atuam na escola, que na realidade na qual foi ocorrida esta experiência há uma série de problemas de ordem social como a violência, o preconceito e o descaso por parte do público. Contudo, em meio a isso, existe também uma imensa riqueza cultural vinda desses jovens, tendo diversas marcas do movimento hip-hop, o qual possui raízes com origem afro. Neste sentido, utilizando-se de uma metodologia alternativa, houve a realização de uma oficina de grafitti, a qual foi realizada por intermédio de uma aula teórica em que foram trazidos aspectos mais relacionados à história de todo esse movimento como parte do hip-hop, como ele é impresso nas paisagens com toda a sua simbologia e a diferença entre o grafitti e a pichação. Em seguida houve a realização da prática na qual os alunos puderam utilizar do spray para realizar as suas manifestações artísticas com base nos aspectos teóricos que foram apresentados anteriormente. Desse modo, houve a práxis geográfica, a qual foi possível dizer que foi algo que fez sentido para os alunos e trouxe consigo uma série de importantes resultados em sua realização.


Palavras-chave


oficina; grafitti, hip-hop; paisagem

Referências


ALVES, C. C. E. Ensino de Geografia e suas diferentes linguagens no processo de ensino e aprendizagem: perspectivas para a educação básica e geográfica. Geosaberes, Fortaleza, v. 6, número especial (3), fev. 2016, p. 27-34.

 

CAVALCANTI, L. S. A “geografia do aluno” como referência do conhecimento geográfico construído em sala de aula. In: O ensino de geografia na escola. Campinas, SP: Papirus, 2012. p. 45–47.

 

CLAVAL, P. A geografia cultural: o estado da arte. In: Manifestações da Cultura no. Espaço. (Org.) R.L. Corrêa et al. Rio de Janeiro, EdUERJ, 1999b, p. 59-97.

 

COSGROVE, D. A geografia está em toda parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORRÊA, R. L.; ROZENDAHL, Z. (Orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: Eduerj, 1998. p. 222-236.

 

COSTA, M. T.; CRUZ, D. M. Grafite e pichação – que comunicação é esta?. LINHAS, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 95–112, jul./dez. 2008.

 

DUPRET, L. Subjetividade e arte de rua: 100% graffit. Psicologia Escolar e Educacional, v.12, n. 2, p.413-421, 2008.

 

GALO, F; SHISHITO, A. A.A resistência do lugar e o grafite: identidade, cidadania e meio ambiente no distrito de Grajaú em São Paulo-SP. In: XVII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional, 2017, São Paulo. Anais XVIIEncontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional, 2017.

 

GOMES, R. L. Território usado e movimento hip hop: cada canto um rap, cada rap um canto. 2012. 159 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

 

KRESS, R. C. C. Consciência. 1. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 200. v. 1000. 248p.

 

MITTMANN, D. O sujeito-pixador: tensões acerca da prática da pichação paulista. 2012. 125 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro, 2012.

 

SHISHITO, A. A. A Nova Geografia Cultural de Cosgrove e o grafite como proposta de entendimento da paisagem. Revista Geografia e Pesquisa, Ourinhos, v. 11, n. 2, p. 16-24, 2017


Um cadastro no sistema é obrigatório para visualizar os documentos. Clique aqui para criar um cadastro.