Biblioteca Digital de Eventos Científicos da UFPR, III ENCONTRO DAS LICENCIATURAS REGIÃO SUL

Tamanho da fonte: 
A COMPREENSÃO DA CIÊNCIA A PARTIR DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA
Bruna Borgia de Andrade, Sabrina Bitencourt, Carmem Lucia Lima dos Nascimento

##manager.scheduler.building##: Pavilhão do SEPT UFPR
##manager.scheduler.room##: Pavilhão
Última alteração: 10-10-2019

Resumo


A presente pesquisa tem origem no Projeto de pesquisa desenvolvido no programa de pesquisa docente e no programa de iniciação científica: Projeto Impactos da Iniciação: Impactos de programas de iniciação científica e iniciação a docência no desenvolvimento profissional de professores, ligado ao grupo de pesquisa GHESP –História, Educação, Sociedade e Política. Este trabalho tem por objetivo mostrar os pontos positivos e negativos da realidade dos alunos que participaram ou participam da Iniciação Científica, com base em dois artigos. O primeiro artigo: “A Docência e pesquisa: o PIBIC e o PIBID como estratégias pedagógicas”, apresenta as contribuições da Iniciação Cientifica para a aprendizagem dos alunos na docência. O segundo artigo: “A Iniciação Cientifica muitas vantagens e poucos riscos”, demonstra a importância do programa para o estudante do curso superior, enfatizando o papel complementar de melhoria da sua análise crítica, maturidade intelectual, compreensão da ciência e possibilidades futuras, tanto acadêmicas como profissionais. Na visão de Almeida (1996), mostra-se que a pesquisa científica é um instrumento educativo para a docência, onde os alunos lidam com o processo de conhecer e não apenas como o produto desse processo. Descrevendo as vantagens e também alguns riscos a serem analisados, devemos salientar a importância da pesquisa no âmbito acadêmico. Esta pesquisa foi qualitativa, realizada em campo, conforme verificado na análise de cinco relatos. Com isso, vimos que o projeto tem grande importância na formação acadêmica dos alunos, porque aprimora os conhecimentos, ajudando na oralidade, na escrita e no comprometimento, trazendo também um benefício pessoal e intelectual, tendo dessa forma mais autonomia, criando gosto pela leitura e ressaltando um novo olhar para a profissão. Muitos autores defendem que os bolsistas da iniciação científica apresentam melhores coeficientes de rendimentos nos seus cursos de graduação (Leitão Filho,1996; Cabelon, 2003; Aguiar, 1997; Bridi, 2004; Beglia, 2002; Pires, 2002), isso ocorre porque os alunos da iniciação desenvolvem novas estratégias de aprendizagem, como consequência da vivência da pesquisa. Através do projeto, os alunos conhecem mais aprofundado os autores que na universidade se tem contato superficial, discutindo assim vários artigos sobre a formação do professor. Como possível ponto negativo, pode-se elencar a pouca divulgação do projeto, a qual possui a carga horária extensa, o que para alguns alunos, acabam se desinteressando, porém, essa concepção também pode ser flexível.


Palavras-chave


Docência; Pesquisa; Experiência; Alunos

Referências


AGUIAR, L. C. C. O Perfil da iniciação científica no Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho e no Departamento de Bioquímica Médica da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 1997. Dissertação (Mestrado em Química Biológica) - Centro de Ciências da Saúde, Instituto de Ciências Biomédicas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

 

ALMEIDA, L. M. A. C. A Importância do programa de iniciação científica para a formação de pesquisadores. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA USF, 1. 1996, Bragança Paulista. Anais... Bragança Paulista: Universidade São Francisco/Ippea, 1996. p.22-24.

ESTUDOS SOBRE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO BRASIL: UMA REVISÃO. São Paulo: Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 139, janeiro 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/v40n139/v40n139a09.pdf>. Acesso em: 31 ago. 2019.

 

FAVA-DE-MORAES, Flavio; FAVA, Marcelo. A iniciação científica: muitas vantagens e poucos riscos. São Paulo em perspectiva, v. 14, n. 1, p. 73-77, 2000.

 

SEVERINO, Antonio Joaquim. Docência e pesquisa: o PIBIC e o PIBID como estratégias pedagógicas. Revista Intersaberes, v. 11, n. 22, p. 236-246, 2016.

 

 

 

 


Um cadastro no sistema é obrigatório para visualizar os documentos. Clique aqui para criar um cadastro.