Biblioteca Digital de Eventos Científicos da UFPR, III ENCONTRO DAS LICENCIATURAS REGIÃO SUL

Tamanho da fonte: 
METODOLOGIA ALTERNATIVA PARA O ENSINO DE CARTOGRAFIA
Patricia Silva Ramos, Vitor Hugo Malta Porfirio, Thaina Antunes Santos, Marcos Torres, Fabiana D'Amicis

##manager.scheduler.building##: Setor de Sociais Aplicadas
##manager.scheduler.room##: 06
Data: 12-11-2019 05:00  – 05:15
Última alteração: 31-10-2019

Resumo


O artigo METODOLOGIA ALTERNATIVA PARA O ENSINO DE CARTOGRAFIA, produzido pelos graduandos em geografia Patricia Ramos, Thaina Santos e Vitor Porfirio, teve por objetivo a discussão sobre a experiência do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) no Colégio Estadual Professor Lysímaco Ferreira da Costa, onde se observou os desafios do votos no escolar e teve o objetivo colocar em prática uma outra metodologia, sendo assim, quando abordado o assunto de Cartografia aos alunos dos 6° e 7° ano, os graduandos na tentativa de superar a problemática da escola tradicional, que é fundamentada pelo professor como o que ser em todo o conteúdo, o aluno como um receptáculo deste e a escola sendo o espaço produção do conteúdo padronizado não levando em conta a realidade vivida. Os bolsistas investiram na estratégias da pedagogia histórico-crítica, que coloca o aluno como centro da aprendizagem, aproxima a disciplina da realidade presenciada e desenvolve nele o pensamento crítico acerca do conteúdo e do cotidiano vivido pelo indivíduo, fomentando a interação e o desejo pelo conhecimento, para desenvolver indivíduos que introduzem os conhecimentos não importante a área estudada (exatas, humanas ou biológicas) presentes na escola no seu cotidiano e além disso, tornem-se cidadãos críticos. Sendo assim, iniciou- se o estudo, utilizando de base pesquisas com autores como Nubia Natalia Alves Pereira, Yves Lacoste, José William Vesentini e Celso dos S. Vasconcellos, em que cada um destes pensadores baseados na criticidade do aluno e porventura geografia, encaminharam para uma aula libertadora. Ao aplicar esses fundamentos a aula foi feita de uma forma dinâmica e interativa com a colaboração dos alunos sobre conceitos antes aplicados, notou se que em todas as turmas que foi aplicado essa aula, de início houve um estranhamento (por conta da mudanças na disposição da sala de aula, não utilizando as carteiras enfileiradas, pois formou se uma roda no chão), contudo, a discussões e conversas se desenvolveram naturalmente, foram na grande parte do tempo eles apontavam os conceitos questionados e ajudavam a construir o conhecimento entre si. Por fim, apontou-se os desafios enfrentados ao tentar sair do "normal" nas escolas e como estas dificuldades fazem com que o professor, que está diariamente na escola, acaba preferindo pelas abordagens tradicionais.

Palavras-chave


Cartografia; metodologias alternativas; geografia crítica.

Referências


PEREIRA, N. N. A. Desafios da prática docente em Geografia e a diversidade dos alunos: um estudo de caso em escolas do ensino fundamental dos anos finais do município de Iporá-Go. 2017. 114 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Goiás, Jataí, 2018.

LACOSTE, Yves. A geografia – isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. 2. ed. Campinas: Papirus, 1989.

VESENTINI, José William. Para uma geografia crítica na escola. São Paulo: Editora do autor, 2008.

VASCONCELLOS, C. S. Formação didática do educador contemporâneo: desafios e perspectivas. In: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Prograd. Caderno de Formação: formação de professores didática geral. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011, p. 33-58, v. 9.


Um cadastro no sistema é obrigatório para visualizar os documentos. Clique aqui para criar um cadastro.