Biblioteca Digital de Eventos Científicos da UFPR, III ENCONTRO DAS LICENCIATURAS REGIÃO SUL

Tamanho da fonte: 
O PIBID NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DOCENTE
Rosane de Fátima Batista Teixeira, Luiz Aparecido Alves de Souza, Rafael Leal Vitola, Roberto Alexandre Fedechem

##manager.scheduler.building##: Setor de Sociais Aplicadas
##manager.scheduler.room##: 06
Data: 13-11-2019 03:15  – 03:30
Última alteração: 31-10-2019

Resumo


Este trabalho busca realizar um estudo dos editais de 2018 e das portarias que regulamentam os programas “Pibid” e “Residência Pedagógica”, analisando suas implicações no contexto das atuais Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação docente, emanada pela Resolução CNE/CP nº 02/2015, e suas contribuições para a formação inicial e a construção identitária da profissão docente. O referencial teórico básico ancorou-se nos estudos de Hofling e Kosik. Os procedimentos metodológicos adotados neste trabalho pautaram-se na pesquisa documental, modalidade a qual se utiliza de métodos e técnicas para apreensão, compreensão e análise de documentos de variados tipos. Quando se aprofunda a comparação entre os objetivos e as finalidades dos referidos programas, percebe-se que Pibid e RP possuem diferenças significativas, pois a reflexão proposta pelo primeiro não é objetivo principal do último, conforme observado nos editais 06/2018 da RP, com a premissa de indução de reformulação do estágio supervisionado e promoção da BNCC, e 07/2018 do Pibid, que busca incentivo à formação docente, valorização do magistério e contribui para a articulação entre teoria e prática. O Pibid alinha-se tacitamente aos princípios e pressupostos da Resolução CNE/CP nº 02/2015, por se tratar do compromisso com a integração e interdisciplinaridade curricular, com a construção do conhecimento, valorizando a pesquisa e a extensão como princípios pedagógicos, com a elaboração de processos de formação do docente, em consonância com as mudanças educacionais e sociais, e com as dinâmicas pedagógicas que contribuam para o exercício profissional e o desenvolvimento do profissional do magistério por meio de visão ampla do processo formativo, seus diferentes ritmos, tempos e espaços. A RP, por sua vez, aproxima-se dos parâmetros determinados pela BNCC, cujo compromisso assente em promover a adequação dos currículos e das propostas pedagógicas, com fino traço de atendimento às políticas de avaliação estandartizadas, ditadas pelos organismos nacionais e internacionais e de culpabilização dos professores, em especial, da esfera pública. A análise dos editais Pibid permite salientar que o objetivo central da Capes no desenvolvimento desse programa é a manutenção da qualidade de ensino da educação básica, através da interação universidade-escola e da promoção de qualidade na formação inicial dos futuros professores. Os programas de iniciação à docência possibilitam que o espaço escolar seja o espaço de construção e discussão da prática pedagógica, tendo em vista a necessidade de se debater continuamente a formação de professores no Brasil, haja vista a crescente demanda desses profissionais, apesar da atual baixa valorização social e econômica.


 


Palavras-chave


Formação de Professores; Políticas de Governo; Iniciação à Docência.

Referências


BRASIL. Resolução CNE/CP nº 02 de 01 de julho de 2015. Disponível em <http://portal.mec.gov.br> Acesso em 29/05/2019.

_____. Portaria Normativa Capes nº 38, de 12 de dezembro de 2007. Disponível em: <https://www.capes.gov.br/> Acesso em 22/05/2019.

_____. Portaria Normativa Capes nº 38 de 28 de fevereiro de 2018. Disponível em: <https://www.capes.gov.br/> Acesso em 22/05/2019.

_____. Portaria Capes nº 122/2009. Disponível em: <https://www.capes.gov.br/> Acesso em 20/06/2019.

_____. Edital Capes nº 2/2009. Disponível em: <https://www.capes.gov.br/> Acesso em 22/06/2019.

_____. Edital Capes nº 06 de 2018. Disponível em: <https://www.capes.gov.br/> Acesso em 22/07/2019.

_____. Edital Capes nº 07 de 2018. Disponível em: <https://www.capes.gov.br/> Acesso em 12/07/2019.

GIL, A. C. Métodos e técnicas da pesquisa social. 6ª ed., SP: Atlas, 2008.

HOFLING, E. M. Estado e políticas (públicas) sociais. Cad. CEDES [online]. 2001, vol. 21, n.55, pp.30-41.

KOSIK, K. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976

 


Um cadastro no sistema é obrigatório para visualizar os documentos. Clique aqui para criar um cadastro.