Biblioteca Digital de Eventos Científicos da UFPR, II Congresso de Saúde Coletiva da UFPR

Tamanho da fonte: 
DISTRIBUIÇÃO DAS CAUSAS DOS ÓBITOS INFANTIS NO ESTADO DE PERNAMBUCO
MARIA TATIANE ALVES DA SILVA, VALDECIR BARBOSA DA SILVA JÚNIOR

Última alteração: 02-10-2020

Resumo


Introdução: A análise dos óbitos infantis é fundamental para analisar a situação de saúde de determinada população e a qualidade da assistência prestada no pré-natal, parto e pós-parto. Objetivo: Analisar a distribuição das causas dos óbitos infantis no estado de Pernambuco, entre os anos de 2003 a 2017. Material e Métodos: Trata-se de um estudo descritivo, com abordagem quantitativa. Foram utilizados dados secundários do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) referentes aos de 2003 a 2017, sendo a abrangência do estudo o estado de Pernambuco. Os dados foram agrupados em quinquênios (2003-2007; 2008-2012; 2013-2017) e apresentados em valores absolutos e relativos. Resultados: A principal causa dos óbitos infantis em Pernambuco foi por óbitos reduzíveis pela atenção à mulher na gestação, com uma média de 27,3%. Quando comparado o primeiro quinquênio com o último, nota-se um aumento nos óbitos por esta causa, passando de 23,8% para, aproximadamente, 30%. Destaca-se a redução de óbitos infantis reduzíveis por ações promoção à saúde vinculada a ações de atenção, passando de 14,7% para 6,9%. Os óbitos infantis por causas mal definidas reduziram de 9% para 2%. Considerações Finais: O Sistema Único de Saúde (SUS) apresenta conhecimentos e tecnologias que possibilitam intervenções eficazes para evitar a mortalidade infantil. Dessa forma, o aumento óbitos infantis reduzíveis pela atenção à mulher na gestação indica possíveis falhas em relação a qualidade da assistência prestada as mulheres durante o período de pré-natal.

Palavras-chave


Mortalidade Infantil; Saúde da Criança; Saúde Pública;