Biblioteca Digital de Eventos Científicos da UFPR, I Seminário Internacional sobre Violência, Tecnologias e Saúde no contexto do coronavírus (COVID-19)

Tamanho da fonte: 
A RELAÇÃO ENTRE O TABAGISMO E O NOVO CORONAVÍRUS: uma revisão integrativa
Guilherme Lages Matias, Brenda dos Santos Teixeira, Gabriela Santos Andrade, Marcio Vinicius Ferreira Sales, Bárbara Letícia de Queiroz Xavier

Última alteração: 14-09-2020

Resumo


RESUMO

O objetivo foi avaliar os desfechos clínicos de pacientes fumantes acometidos com o novo coronavírus, COVID-19, quando comparados com pacientes não fumantes. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, realizada nas bases de dados PUBMED, SciELO e LILACS. Foram utilizados os descritores “Infecções por coronavírus”, “Tabagismo” e “Fatores de risco” durante a busca, escolhendo-se os artigos publicados a partir de 2020. Dos 368 artigos encontrados, apenas 7 foram selecionados por se tratarem de estudos relacionados diretamente ao tema proposto. Observou-se que o tabagismo é um fator de risco para desfechos clínicos desfavoráveis em pacientes fumantes, resultando em maior tempo de internação hospitalar e riscos de morbimortalidade. Notou-se ainda que, alguns estudos relataram uma baixa contaminação de pacientes que fumam em alguns hospitais, contudo, tais resultados podem ser derivados de erros metodológicos ou de preenchimento incorreto das informações no prontuário.

Palavras-chave: Infecções por Coronavirus. Tabagismo. Fatores de Risco.

 

INTRODUÇÃO

 

A COVID-19 é uma doença do trato respiratório caracterizada por uma síndrome respiratória aguda grave; o seu agente causador é o SARS-CoV-2. A principal via de entrada do vírus é através dos tecidos da mucosa: nariz, boca, trato respiratório superior e, menos frequentemente, da mucosa conjuntival. A letalidade do novo coronavírus, até o momento, tem sido majoritariamente associada a pacientes idosos ou à presença de comorbidades que afetam o sistema imunológico (WHO, 2020).

O tabagismo é reconhecido como uma doença crônica causada pela dependência à nicotina presente nos produtos à base do tabaco (SZKLO, A. S., 2020). A exposição à fumaça do cigarro resulta em processos inflamatórios no pulmão, aumento da inflamação da mucosa, diminuição da atividade de células imunes e alteração na expressão da enzima conversora da angiotensina 2 (ECA-2), o receptor de entrada do SARS-CoV-2 (BRAKE, S. J. et al., 2020). O conhecimento sobre fatores que agravam o sistema imunológico do hospedeiro, em particular, fatores evitáveis, como o cigarro, pode ser importante para reduzir a contaminação viral e a gravidade da doença (INCA, 2020).

Na atual pandemia da COVID-19, é essencial proteger todos os indivíduos, em especial aqueles com maior risco de infecção e complicações. Considerando o papel conhecido do tabagismo na patogênese das doenças pulmonares, esse estudo objetivou avaliar os desfechos clínicos de pacientes fumantes acometidos com a COVID-19 quando comparados com pacientes não fumantes.

 

METODOLOGIA

 

O presente estudo trata-se de uma revisão integrativa, com abordagem descritiva e exploratória, uma vez que busca relacionar o tabagismo à contaminação e aos desfechos clínicos da COVID-19. O estudo qualitativo trabalha com o significado dos fenômenos. Tomou-se como base a pergunta norteadora “Qual a relação entre o tabagismo e a progressão da COVID-19?”.

Em seguida, a estratégia de identificação e seleção dos estudos foi a busca de publicações indexadas na base de dados: Scientific Electronic Library Online (SciELO), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e US National Library of Medicine (PUBMED) no mês de agosto de 2020. No processo de busca de artigos utilizou-se o operador booleano (AND) na associação dos seguintes descritores: “Infecções por coronavírus”, “Tabagismo” e “Fatores de risco” e os seguintes Medical Subject Headings (MeSH): “Coronavirus Infections”, “Smoking” e “Risk Factors”.

Para a inclusão de artigos na amostra, adotaram-se como critérios de inclusão: artigos disponíveis de forma completa e gratuita, nos idiomas inglês e português, compreendidos entre 01 de janeiro de 2020 a 23 de agosto de 2020. Foram excluídos artigos que se mostravam inconclusos e/ou repetitivos, publicações do tipo relato de caso, informe técnico e não que não se encaixavam na temática.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Foram identificados 368 artigos na amostra inicial e após a aplicação dos critérios de exclusão, restaram-se 07 artigos como corpus de análise, conforme mostra o quadro sinóptico (Quadro 1).

Quadro 1 - Síntese dos artigos obtidos na Revisão Integrativa (2020)

AUTOR / ANO

TÍTULO

1

GRUNDY et al. (2020)

Smoking, SARS-CoV-2 and COVID-19: A review of reviews considering implications for public health policy and practice.

2

FARSALINOS et al. (2020)

Current smoking, former smoking, and adverse outcome among hospitalized COVID-19 patients: a systematic review and meta-analysis.

3

ALQAHTANI et al. (2020)

Prevalence, Severity and Mortality associated with COPD and Smoking in patients with COVID-19: A Rapid Systematic Review and Meta-Analysis

4

SANCHES-RAMIREZ D. C.; MACKEY D. (2020)

Underlying respiratory diseases, specifically COPD, and smoking are associated with severe COVID-19 outcomes: A systematic review and meta-analysis

5

OLDS J. L.; KABBANI N. (2020)

Is nicotine exposure linked to cardiopulmonary vulnerability to COVID-19 in the general population?

6

KAUR, G.; LUNGARELLA, G.; RAHMAN I. (2020)

SARS-CoV-2 COVID-19 susceptibility and lung inflammatory storm by smoking and vaping

7

BRAKE, S. J. et al. (2020)

Smoking Upregulates Angiotensin-Converting Enzyme-2 Receptor: A Potential Adhesion Site for Novel Coronavirus SARS-CoV-2 (Covid-19)

Fonte: Dados da pesquisa, 2020.

 

Sabe-se que a enzima conversora de angiotensina 2 (ECA2) é a porta de entrada do SARS-CoV-2 e que o consumo de nicotina seria um fator de risco especial para a COVID-19 (BRAKE, S. J. et. al, 2020). Isso ocorre porque a nicotina aumenta a ação dos mecanismos celulares da atividade receptora nicotínica, que promovem a entrada e proliferação do SARS-CoV-2 nas células epiteliais através da co-expressão da ECA-2, resultando em desfechos clínicos desfavoráveis aos pacientes fumantes (OLDS J. L.; KABBANI N., 2020).

Os diferentes estudos analisados mostraram que os fumantes possuem maior probabilidade de manifestarem efeitos mais severos da COVID-19 quando comparados com ex-fumantes ou pessoas que nunca fumaram (GRUNDY et al.; ALQAHTANI e. al., 2020). Pacientes com o hábito de fumar necessitaram de um maior tempo de internação, de uma permanência prolongada na UTI e demostraram agravamento dos sintomas clínicos apresentados no momento da admissão.

Apesar de alguns estudos mostrarem uma baixa prevalência de fumantes entre pacientes hospitalizados por Covid-19, tais resultados devem ser interpretados com bastante cautela. Considerando a emergência da pandemia, há a possibilidade de fatores externos terem influenciado nos resultados das pesquisas, tais como, o status de fumante dos pacientes não ter sido registrado corretamente pelos serviços de saúde e a incapacidade do paciente em relatar seus hábitos (FARSALINOS et al., 2020).

Além disso, esses estudos relataram limitações metodológicas que impossibilitaram o ajuste da variável tabagismo perante as outras variáveis, tais como: sexo, idade e presença de comorbidades (SANCHES-RAMIREZ D. C.; MACKEY D.; GRUNDY et al., 2020). Desse modo, não é possível afirmar que há uma relação direta entre o hábito de fumar e a menor contaminação pela COVID-19 (KAUR, G.; LUNGARELLA, G.; RAHMAN I., 2020).

Ressalta-se que fumar é contraindicado como medida de proteção contra a COVID-19 (ou qualquer outra condição) devido ao risco associado para a morbidade cardiovascular, respiratória e cancerígena, além das altas taxas de mortalidade. Assim, os fumantes devem ser encorajados a desistir. São necessárias campanhas de conscientização voltadas ao público fumante visando à redução ou interrupção do fumo, e é possível que uma melhoria nas taxas de cessação ajude a reduzir a propagação da SARS-CoV-2 (ALQAHTANI e. al., 2020).

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Nota-se, portanto, que o tabagismo é indiscutivelmente prejudicial para a saúde, em especial, para os pacientes acometidos pela COVID-19. Os desfechos clínicos mostraram resultados agravados quando comparado com pessoas não fumantes, o que demonstra a necessidade dos governantes e sistemas de saúde em todo mundo em aumentar o investimento de campanhas antitabagismo. Ademais, são necessários estudos com mais rigor metodológico, a fim de ser compreender melhor a contaminação do SARS-CoV-2 em pacientes fumantes.

REFERÊNCIAS

 

GRUNDY, E. J. et al. Smoking, SARS-CoV-2 and COVID-19: A review of reviews considering implications for public health policy and practice. Tobacco induced diseases, v. 18, n. 58, 2020.

 

ALQAHTANI, J. S. et al. Prevalence, Severity and Mortality associated with COPD and Smoking in patients with COVID-19: A Rapid Systematic Review and Meta-Analysis. PloS one, v.15, n.5, p. e0233147, 2020.

 

SANCHEZ-RAMIREZ, D. C.; MACKEY D. Underlying respiratory diseases, specifically COPD, and smoking are associated with severe COVID-19 outcomes: A systematic review and meta-analysis. Respiratory medicine, v. 171, n. 106096, 2020.

 

OLDS, J. L.; KABBANI, N. Is nicotine exposure linked to cardiopulmonary vulnerability to COVID-19 in the general population?. The FEBS journal, v. 15, n. 03, 2020.

 

KAUR, G.; LUNGARELLA, G.; RAHMAN I. SARS-CoV-2 COVID-19 susceptibility and lung inflammatory storm by smoking and vaping. Journal of inflammation, v. 17, n. 21, 2020.

 

BRAKE, S. J. et al. Smoking Upregulates Angiotensin-Converting Enzyme-2 Receptor: A Potential Adhesion Site for Novel Coronavirus SARS-CoV-2 (Covid-19). Journal of clinical medicine, v. 9, n.3, p.841-848, 2020.

 

FARSALINOS, K. et al. Current smoking, former smoking, and adverse outcome among hospitalized COVID-19 patients: a systematic review and meta-analysis. Therapeutic advances in chronic disease, v. 11, 2020.

 

WHO. World Health Organization. Q&A on Coronaviruses (COVID-19). 2020. Disponível em: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/question-and-answers-hub/q-a-detail/q-a-coronaviruses#:~:text=symptoms. Acesso em: 23 de ago 2020.

 

SZKLO, A. S. Associação entre Fumar e Progressão para Complicações Respiratórias Graves em Pacientes com Covid-19. Rev. Brasileira.De.Cancerologia, v. 66, n. 74, 2020.

 

INCA. Instituto Nacional de Câncer. Alerta do INCA sobre os riscos do tabagismo e do uso e compartilhamento do narguilé para infecção pelo coronavírus (Covid – 19). 2020. Disponível em: https://www.inca.gov.br/publicacoes/notas-tecnicas/alerta-do-inca-sobre-os-riscos-do-tabagismo-e-do-uso-e-compartilhamento. Acesso em: 23 ago 2020.